PREFÁCIO - Talvez nem todas essas 100 histórias sobre Michael Jackson, sejam totalmente verdade. Mas certamente elas não são totalmente mentira ! Durante 50 anos de vida e 40 anos de carreira, Michael Jackson conheceu e conviveu com milhares de pessoas e encantou à todas elas. Cada uma dessas pessoas tem uma história inesquecível para contar, sobre Michael. Aqui estão algumas dessas histórias, que foram recolhidas ao longo de muitos anos. Assim como sua música, a personalidade de Michael Jackson, também é genial ! Voltar para MJ Planet

- O livro de Frank Cascio

"Meu amigo Michael: Uma amizade ordinária
com um homem extraordinário"
por Cascio
NEW YORK (AP) - 12/11/11 - Um gerente que virou assistente pessoal e mais que amigo para Michael Jackson, disse que o Rei do Pop estava tomando propofol desde o ninício de 1999, e que o cantor estava usando o medicamento até 2001 à frente de seu concerto de 30 º aniversário.

Frank Cascio, que se tornou um amigo da família de Jackson aos 5 anos de idade e, eventualmente, um dos amigos mais íntimos do cantor e também seu empregado, escreve em um novo livro - que ele notou pela primeira vez que Jackson estava usando o Demerol, enquanto acompanhava o cantor em sua turnê "Dangerous" - em 1993 .

Ele escreve em seu novo livro, "My Friend Michael: Uma Amizade Ordinária com um homem extraordinário", que Jackson começou o primeiro de dois shows de aniversário, em 2001, uma hora de atraso, como resultado de estar sob o efeito da droga, em seu camarim.

"Minha crença ingênua de que Michael não iria deixar que o remédio interferisse com o show de aniversário em 2001, explodiu na minha cara", escreve Cascio. "Eu não posso descrever a minha decepção e o meu pânico naquele momento."

A Associated Press comprou uma cópia antecipada do livro, que tem lançamento previsto para 15 de novembro por William Morrow, um selo da News Corp 's HarperCollins.

Cascio se tornou amigo de Michael Jackson depois que seu pai lhe apresentou o cantor; Dominic Cascio, o pai - trabalhou no Palácio Hemsley, em Manhattan, como gerente das torres do hotel e suites, onde Jackson ficava hospedado. Depois disso, Cascio aos cinco anos de idade e seu irmão mais novo Eddie, passaram um tempo com Jackson em seu rancho Neverland.

Ele acredita que Jackson foi introduzido pela primeira vez ao Demerol em 1984, quando ele queimou a cabeça durante um tiroteio de fogos no comercial da Pepsi, e Cascio escreve que ele notou pela primeira vez o uso do medicamento apenas em sua turnê "Dangerous".

"Agora, em turnê, e novamente em profunda dor física, Michael voltou para as drogas", escreveu ele.

Cascio diz que Michael Jackson também tomou propofol em 1999 em Munique na Alemanha, quando o cantor despencou do andaime a 50 metros de altura em um show, em vez de descer lentamente, a plataforma de Jackson caiu. Cascio também escreve que Jackson havia tomado Demerol algumas vezes para tratar a doença de pele - o vitiligo, e que Michael vivia preocupado com o seu uso de drogas.

"Tornou-se claro para mim que o uso de drogas foi como uma escalada, na vida de Michael", escreveu ele. Cascio disse algumas vezes que ele pagou em dinheiro os médicos "porque todos os problemas médicos que Michael teve, deveriam ser mantidas longe do público e seu custo fora dos livros." Ele também disse que algumas das prescrições 9 Receitas ) foram escritas em seu nome.

"Ao longo dos anos, eu tinha crescido acostumado a ver os médicos indo e vindo, especialmente em excursões, quando Michael estava sob grande estresse e precisava de ajuda para adormecer."

Cascio disse que queria procurar ajuda para o amigo, mas não sabia a quem recorrer. À frente dos shows de Michael Jackson em 2001, no seu 30º aniversário, ele disse que falou com Janet, Randy e Tito sobre o uso de medicamentos. Ele escreve que os irmãos Jackson se aproximaram dele, mas o cantor "simplesmente empurrou os irmãos."


"Mas no final, a angústia física e mental prevaleceu, e Michael morreu na sua busca incansável para alcançar alguma paz interior", escreve Cascio.

"Meu amigo Michael" também lança um olhar sobre alguns dos momentos pessoais e profissionais de Jackson, proporcionando um olhar um pouco atrás das cenas do Rei do Pop, mas sobre a vida dele.

Cascio escreve que ele e Jackson "tinham passado férias em algumas ocasiões, nas montanhas", e que Jackson até bebeu vinho e muitas garrafas de suco e latas de refrigerante.

Cascio e a cantor cresceram muito perto, e em 1993, quando Jackson foi inocentado de abuso sexual infantil, ele pediu à família Cascio que fossem visitá-lo em Israel, enquanto ele estava em turnê. Mais tarde, ele perguntou se os meninos poderiam ficar em turnê com ele:

"Ele foi conversar com o meu pai e rompeu a chorar", escreve Cascio. "As pessoas podem questionar o julgamento dos meus pais no envio de dois meninos para passar tanto tempo a sós com um homem que tinha sido acusado de molestar um outro menino. Mas para nós, a sugestão de que estávamos em perigo - era completamente absurda."

Jackson convidou Cascio para trabalhar como seu assistente pessoal um ano depois que ele se formou no colegial. Ele mais tarde ele também se tornou seu empresário pessoal.

Ao longo do livro, escreve que nunca ele ou Jackson tiveram relações sexuais com crianças, mas tinham um amor por elas e queriam ter seus próprios filhos.

Cascio diz a princesa Diana estava no topo da lista de Jackson, uma lista de mulheres que ele queria 'namorar', e conta que Jackson fez uma lista de mulheres que ele desejava, com um de seus membros do fã clube.

"Ele tinha a tendência de gostar de mulheres altas e delgadas, a quem eu descreveria como 'nerds' de uma forma sexy", escreve ele.

Cascio também disse que Jackson costumava dizer que dançarino e rapper Omer Bhatti, depois de um longo rumor, de que OMER era seu filho fruto do amor por uma mulher norueguesa - embora Cascio não acreditou nele. Jackson admitia e mais tarde dizia que não era verdade.

"Por meio de uma explicação, Michael me deu a mesma razão que ele tinha dado para seu casamento com Lisa Marie e Debbie Rowe. Ele precisava mostrar o príncipe da Arábia Saudita e no resto do mundo empresarial árabe - que tinha uma família", Cascio escreve.

Quando ele trabalhava como seu gerente pessoal, Cascio disse que tinha que interferir quando John McClain, agora o co-executor do espólio de Jackson, e o diretor do vídeo de "You Rock My World", queria que o cantor "usasse maquiagem para escurecer pele de Michael para o vídeo "e" para preencher o nariz com putty ( massa ) ". Cascio disse que Jackson se trancou em um banheiro e chorou.

"Eles acham que eu sou feio?" Jackson pediu. "Eles acham que eu sou um freak, eles pensam que eu sou um freak, eles pensam que eu sou uma aberração."

Nenhum comentário:

Postar um comentário